Patricia Guerreiro

Sem título, da série Devoção, 2019
Concreto e ferro
90 x 48 x 44 cm

Nasceu em 1971, Rio de Janeiro, onde vive e trabalha.

A curiosidade por pessoas, suas dores, conflitos , crenças e histórias sempre foram combustível para a minha arte. O concreto desconstruindo, o ferro e o arame farpado traduzem segregação, separação, imposição dos limites e a ferida que dói. A transmutação para a leveza vem do ouro e das pedras preciosas. Uma linha tênue entre a dor e o acolhedor.

Beleza no bruto, 2021
Concreto, prata, ametista e arame farpado
45 x 23,5 x 25,5 cm
Sem título, da série Armadilhas do ego, 2020
Cola, papel de seda, arame farpado com banho negro e base em ferro
34 x 42 x 40 cm
Chuva de bençãos, 2021
Aço corten, porcelana, caligrafia e fios de cobre
92 x 170 x 48 cm
O que parece é, 2022
Arame farpado com banho de ouro 24k
24 cm diâmetro

EXPOS COLETIVAS

2019

Galerie Joseph, França (Paris)  

2020

Art Lab Gallery, São Paulo    

2021

Superstudio, Milão (Itália)