Ursula Tautz

Estamos todos tentando nos sentir em casa, 2016
5 balanços perfurados (30 x 50 cm) com os desenhos de Graftschatz Glatz, Ullersdorf an der Biele, Santa Cruz do Sul, Manaus e Rio de Janeiro, costurados uns aos outros por 4 mil metros de fios dourados.
Dimensões variáveis

Nasceu em 1968, Rio de Janeiro, onde vive e trabalha.

Ursula Tautz é brasileira, carioca-alemã-manauara. Cresceu nesse caldeirão, em meio à histórias, tradições e culturas transmitidas, heranças femininas. De suas múltiplas raízes não brotou pertencimento. Esse sentimento de ser estrangeira  levou-a a retornar ao lar de origem, à uma cidade que não existe mais. Assim questões do habitar, do pertencer percorrem seu trabalho. O tempo é um pilar de suas pesquisas assim como a memória e nos últimos anos o som vem se apresentando como uma nova forma de experimentação. A artista foi finalista do Prêmio Mercosul das Artes Visuais Fundação Nacional de Arte – FUNARTE e participou da Siart Bienal 2018 – Bienal Internacional de Arte da Bolívia em La Paz, e da residência artística  Echangeur22, que resultou na exposição “Mobilité, Immobilité”, La Chartreusse, Villeneuve-lez-Avignon, França.

Sem título (Balanço), 2017
Madeira e acrílico
20 x 29 x 23 cm
Mensagens para Zerbini ou Messages in a bottle, 2020
Espelho, vidro, metais e negativos
40 x 40 x 40 cm
O som do tempo (múltiplos), 2018
Badalo de sino quebrado, redoma de vidro, arame dourado, areia dourada
30 x 15 cm
Horologiorum, 2019
Pedras, granito, pigmento dourado, pigmento lavanda, terra de Saint-Laurent des Arbres, seixos, vergalhões de latão, peça de cristal com arame
40 x 35 x 10 cm



Horologiorum, 2019
Pedras, granito, pigmento dourado, pigmento lavanda, terra de Saint-Laurent des Arbres, seixos, vergalhões de latão, peça de cristal com arame
40 x 35 x 10 cm
Frestas por onde os muros escoam, 2017
Grafite, nanquim e acrílica sobre papel
37 x 50 cm
Frestas por onde os muros escoam, 2017
Grafite, nanquim e acrílica sobre papel
50 x 37 cm
Frestas por onde os muros escoam, 2017
Grafite, nanquim e acrílica sobre papel
37 x 50 cm
Frestas por onde os muros escoam, 2017
Grafite, nanquim e acrílica sobre papel
37 x 50 cm

Sobre a obra Frestas por onde os muros escoam, a artista descreve que “durante 45 dias eu observei, quase diariamente a instalação Por onde os muros escoam construída para reinaugurar o espaço expositivo do Jardim da Reitoria da UFF. Esperando que a terra, acumulada em forma de pirâmide, escoasse por entre os vergalhões dourados fincados no entorno dos aterramentos, em um movimento de expansão e contaminação.

Por 45 dias esperei que as cadeiras equilibradas em seus cumes desbarrancassem, afirmando a falância de um centro estável. Sob sol, vento e chuva, o lugar invadiu a instalação. A vegetação cresceu e tornou a terra sólida e verde e as cadeiras firmes em seus centros.

Os desenhos acima são alguns registros feitos durante esta espera.

Detalhe da obra Sem título, 2021
Sem título, 2021
Badalos de sino, prego de cobre e areia sobre madeira
75,5 x 21 x 15 cm
Sem título, 2021
Redoma de vidro, badalo de sino, funil de vidro e prego de cobre
36 x 15 cm
O som do tempo II, 2021
Redoma de vidro, badalo, funil de vidro e vergalhão dourado
34 x 15 cm

EXPOS INDIVIDUAIS

2019
Cartografia do universo imaginado, curadoria Gisele Bento Fernandes, Arte Fasam, Belo Horizonte/MG, Brasil

2017
Frestas por onde muros escoam, Jardim da Reitoria da Universidade Federal Fluminense, Niterói/RJ, Brasil

2016
Lugar Familiar, curadoria de Isabel Sanson Portella , projeto Zip’up,  coordenação Mario Gioia, Zipper Galeria, São Paulo/SP, Brasil

2015  
Fluidostática, curadoria de Isabel Sanson Portella, Galeria do Lago, Museu da República, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Laura Erber e Ursula Tautz, Martha Pagy escritório de arte, Rio de Janeiro/RJ, Brasil



EXPOS COLETIVAS

2020 
Como habitar o presente, curadoria de Érika Nascimento, Galeria Simone Cadinelli, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

2019 
Chacona e Fuga, organização Ursula Tautz, Ateliê Oriente, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

O ovo e a galinha, curadoria de Ulisses Carrilho, Galeria Simone Cadinelli, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Mobilité, Immobilité, curadoria Viviana Birolli, La Chartreuse, Villeneuve-lés-Avignon, França

Estranhamentos, Referência Galeria, Brasília/DF, Brasil

Passeata, curadoria de Isabel Portella, Galeria Simone Cadinelli, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

2018
SIART Bolivia 2018, Bienal Internacional da Arte, curadoria de Ramón Castillo, Chile; Keyna Eleison Van de Beuque, Brasil; María Belén Sáez de Ibarra, Colombia, y Joaquín Sánchez, La Paz, Bolivia

Fronteiras da pintura, Fronteiras da ilusão, curadoria de Onice Moraes, Museu dos Correios, Brasília/DF, Brasil

Gabinete Contemporâneo de Curiosidades, curadoria de Marco Antonio Portela, Centro Cultural Banco do Nordeste, Sousa/PB, Brasil

2017
Gabinete Contemporâneo de Curiosidades, curadoria de Marco Antonio Portela, Galeria Hiato, Juiz de Fora/MG, Brasil

Aquilo que nos une, curadoria de Isabel Sanson Portella, Caixa Cultural, São Paulo/SP, Brasil

A Mesa – Experiência nº 12, Entrepassados, curadoria Raquel Rodrigues, Morro da Conceição, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

2016
Somos todos Clarice, curadoria de Isabel Sanson Portella, Galeria do Lago, Museu da República, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Coletiva em Ipanema, curadoria de Martha Pagy, Instituto Cultural Plajap, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Monumental Arte na Marina da Glória, curadoria de Marc Pottier, Marina da Glória, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Gabinete Contemporâneo de Curiosidades, curadoria de Marco Antonio Portela, Galeria Oriente, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Através do Espelho, curadoria de Jozias Benedicto e Isabel Portella – Galeria Solar  Meninos da Luz, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

A Mesa no Pavilhão da Casa França-Brasil, curadoria de A Mesa, coordenação de Marcelo Campos, Casa França-Brasil, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Aquilo que nos une, curadoria de Isabel Sanson Portella, Caixa Cultural, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

A Mesa – Experiência nº 5, curadoria de Isabel Sanson Portella, coordenação de Marcelo Campos, Morro da Conceição, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Reminiscências, curadoria de Isabel Sanson Portella, Centro Cultural da Justiça Federal – CCJF, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

ADIV, curadoria de Marcos Bonisson, Ateliê da Imagem, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

2015
Intervenções Bradesco ArtRio, curadoria de Isabel Sanson Portella, Museu da República, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Estranhamentos, curadoria de Isabel Sanson Portella, Centro Cultural da Justiça Federal –CCJF, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

RESIDÊNCIAS

2019
Residência Artística Echangeur22, Saint-Laurent-des-Arbres, França

2017
Imersão mata nova, orientação de Keyna Eleison, Secretário, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

PRÊMIOS

2016
FINALISTA Prêmio Mercosul das Artes Visuais, Fundação Nacional de Arte – FUNARTE, Ministério da Cultura – MinC, seleção de Luiza Interlenghi, Jorge Luiz Miguel e Izabel Machado da Costa, Brasília/DF, Brasil

2010
Programa Olheiro da Arte, seleção de Fernando Cocchiarale, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

COLEÇÕES

INSTITUCIONAIS
MAR, Museu de Arte do Rio

PUBLICAÇÕES

2017
Aquilo que nos une, catálogo por Isabel Portella para Centro Cultural da Caixa Econômina Federal – CCCEF, São Paulo/SP, Brasil

2016
Aquilo que nos une, catálogo por Isabel Portella para Centro Cultural da Caixa Econômina Federal – CCCEF, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Experimentos, fotografias e texto por Isabel Portella para REVISTA RED, editado por Daniela Versiani

O Centro em duas coletivas, por Daniela Labra, ensaio critico para o Segundo Caderno, Jornal O Globo, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Sólidos e Fluídos, por Marcelo Campos, ensaio crítico para Revista DASartes, edição 44, janeiro-fevereiro, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

2015
O azul de Ursula Tautz e outras cinco indicações culturais, Ilustríssima Semana – o melhor da cultura em 6 indicações, pg. 2, Jornal Folha de São Paulo, São Paulo/SP, Brasil

2015
Estranhamentos, catálogo por Isabel Portella para Centro Cultural da Justiça Federal – CCJF, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Dica de artista, por Daisy Xavier para coluna de Artes Visuais, Segundo Caderno, Jornal O Globo, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

2012
“Reflexão: Cronotopos Urbanos, cidades imaginárias”, texto da artista para Jornal do Commercio, Rio de Janeiro/RJ, Brasil