Ursula Tautz

Estamos todos tentando nos sentir em casa, 2016
5 balanços perfurados (30 x 50 cm) com os desenhos de Graftschatz Glatz, Ullersdorf an der Biele, Santa Cruz do Sul, Manaus e Rio de Janeiro, costurados uns aos outros por 4 mil metros de fios dourados.
Dimensões variáveis

Nasceu em 1968, Rio de Janeiro, onde vive e trabalha.

Ursula Tautz é brasileira, carioca-alemã-manauara. Cresceu nesse caldeirão, em meio à histórias, tradições e culturas transmitidas, heranças femininas. De suas múltiplas raízes não brotou pertencimento. Esse sentimento de ser estrangeira  levou-a a retornar ao lar de origem, à uma cidade que não existe mais. Assim questões do habitar, do pertencer percorrem seu trabalho. O tempo é um pilar de suas pesquisas assim como a memória e nos últimos anos o som vem se apresentando como uma nova forma de experimentação. A artista foi finalista do Prêmio Mercosul das Artes Visuais Fundação Nacional de Arte – FUNARTE e participou da Siart Bienal 2018 – Bienal Internacional de Arte da Bolívia em La Paz, e da residência artística  Echangeur22, que resultou na exposição “Mobilité, Immobilité”, La Chartreusse, Villeneuve-lez-Avignon, França.

Sem título (Balanço), 2017
Madeira e acrílico
20 x 29 x 23 cm
Mensagens para Zerbini ou Messages in a bottle, 2020
Espelho, vidro, metais e negativos
40 x 40 x 40 cm
O som do tempo (múltiplos), 2018
Badalo de sino quebrado, redoma de vidro, arame dourado, areia dourada
30 x 15 cm

EXPOS INDIVIDUAIS

2019
Cartografia do Universo Imaginado, curadoria Gisele Bento Fernandes, Arte Fasam, Belo Horizonte, Minas Gerais

2017
Frestas por onde Muros escoam, Jardim da Reitoria da Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro

2016
Lugar Familiar, curadoria Isabel Sanson Portella , projeto Zip’up,  coordenação Mario Gioia, Zipper Galeria, São Paulo

2015  
Fluidostática, curadoria Isabel Sanson Portella, Galeria do Lago, Museu da República, Rio de Janeiro

Laura Erber e Ursula Tautz, Martha Pagy escritório de arte, Rio de Janeiro



EXPOS COLETIVAS

2020 
Como habitar o presente, curadoria Érika Nascimento, Galeria Simone Cadinelli, Rio de janeiro, RJ

2019 
Chacona e Fuga, organização Ursula Tautz, Ateliê Oriente, Rio de Janeiro, RJ

O ovo e a galinha, curadoria Ulisses Carrilho, Galeria Simone Cadinelli, Rio de Janeiro, RJ

ArtRio, Feira de Arte do Rio de Janeiro, Marina da Glória, Rio de Janeiro, RJ

Mobilité, Immobilité, curadoria Viviana Birolli, La Chartreuse, Villeneuve-lés-Avignon, França.

Estranhamentos, Referência Galeria, Brasília, DF

SPArte, Feira de Arte de São Paulo, Referência galeria, São Paulo, SP

Passeata, curadoria Isabel Portella, Galeria Simone Cadinelli, Rio de Janeiro, RJ

2018
SIART Bolivia 2018 – Bienal Internacional da Arte, curadoria Ramón Castillo,  Chile; Keyna Eleison Van de Beuque, Brasil; María Belén Sáez de Ibarra,  Colombia, y Joaquín Sánchez,  Bolivia/Paraguay, La Paz, Bolivia

Fronteiras da Pintura, Fronteiras da Ilusão, curadoria Onice Moraes, Museu dos Correios, Brasília, DF

Gabinete Contemporâneo de Curiosidades, curadoria Marco Antonio Portela, Centro Cultural Banco do Nordeste, Sousa, Paraíba

2017
Gabinete Contemporâneo de Curiosidades, curadoria Marco Antonio Portela, Galeria Hiato, Juiz de Fora, Minas Gerais

Aquilo que nos une, curadoria de Isabel Sanson Portella, Caixa Cultural, São Paulo

A Mesa – Experiência nº 12, Entrepassados, curadoria Raquel Rodrigues, Morro da Conceição, Rio de Janeiro

2016
Somos todos Clarice, curadoria Isabel Sanson Portella, Galeria do Lago, Museu da República, Rio de Janeiro

Coletiva em Ipanema, curadoria Martha Pagy, Instituto Cultural Plajap, Rio de Janeiro

Monumental Arte na Marina da Glória, curadoria Marc Pottier, Marina da Glória, Rio de Janeiro

Gabinete Contemporâneo de Curiosidades, curadoria Marco Antonio Portela, Galeria Oriente, Rio de Janeiro

Através do Espelho, curadoria Jozias Benedicto e Isabel Portella – Galeria Solar  Meninos da Luz, Rio de Janeiro

A Mesa no Pavilhão da Casa França-Brasil, curadoria A Mesa, coordenação de Marcelo Campos, Casa França-Brasil, Rio de Janeiro

Aquilo que nos une, curadoria de Isabel Sanson Portella, Caixa Cultural, Rio de Janeiro.

A Mesa – Experiência nº 5, curadoria de Isabel Sanson Portella, coordenação de Marcelo Campos, Morro da Conceição, Rio de Janeiro.

Reminiscências, curadoria de Isabel Sanson Portella, Centro Cultural da Justiça Federal – CCJF, Rio de Janeiro.

ADIV, curadoria de Marcos Bonisson, Ateliê da Imagem, Rio de Janeiro.

2015
Intervenções Bradesco ArtRio, curadoria de Isabel Sanson Portella, Museu da República, Rio de Janeiro.

Estranhamentos, curadoria de Isabel Sanson Portella, Centro Cultural da Justiça Federal –CCJF, Rio de Janeiro.

RESIDÊNCIAS

2019
Residência Artística Echangeur22, Saint-Laurent-des-Arbres, França.

2017
Imersão mata nova, orientação Keyna Eleison, Secretário, Rio de Janeiro

PRÊMIOS

2016
FINALISTA Prêmio Mercosul das Artes Visuais, Fundação Nacional de Arte – FUNARTE, Ministério da Cultura – MinC, seleção de Luiza Interlenghi, Jorge Luiz Miguel e Izabel Machado da Costa, Brasília.

2010
Programa Olheiro da Arte, seleção de Fernando Cocchiarale, Rio de Janeiro.

COLEÇÕES

INSTITUCIONAIS
MAR, Museu de Arte do Rio

PUBLICAÇÕES

2017
Aquilo que nos une, catálogo por Isabel Portella para Centro Cultural da Caixa Econômina Federal – CCCEF, São Paulo

2016
Aquilo que nos une, catálogo por Isabel Portella para Centro Cultural da Caixa Econômina Federal – CCCEF, Rio de Janeiro.

Experimentos, fotografias e texto por Isabel Portella para REVISTA RED, editado por Daniela Versiani,

O Centro em duas coletivas, por Daniela Labra, ensaio critico para o Segundo Caderno, jornal O Globo, Rio de Janeiro.

Sólidos e Fluídos, por Marcelo Campos, ensaio crítico para Revista DASartes, edição 44, janeiro-fevereiro, Rio de Janeiro.

2015
O azul de Ursula Tautz e outras cinco indicações culturais, Ilustríssima Semana – o melhor da cultura em 6 indicações, pg. 2, jornal Folha de São Paulo, São Paulo.

2015
Estranhamentos, catálogo por Isabel Portella para Centro Cultural da Justiça Federal – CCJF, Rio de Janeiro.

Dica de artista, por Daisy Xavier para coluna de Artes Visuais, Segundo Caderno, jornal O Globo, Rio de Janeiro.

2012
“Reflexão: Cronotopos Urbanos, cidades imaginárias”, texto do artista para Jornal do Commercio, Rio de Janeiro.